Home

NOS DOMÍNIOS DO REALISMO FANTÁSTICO

AS AURORAS DO PENSAMENTO

"Mas quem tem coragem de ouvir, amanhecer o pensamento, que vai mudar o mundo com seus moinhos de vento?"

(Cazuza, saudoso cantor e autor brasileiro - In Memoriam)

 

Sim, tal como diz a letra da bela canção imortalizada pelo grande e saudoso cantor, muitos felizmente já têm a necessária coragem de ouvir o amanhecer de um grande pensamento. Você, estimado (a) amigo (a) que fielmente nos acompanha, certamente se lembrará de uma página anterior na qual um dos nossos estimados visitantes descobriu através do excelente (e sobretudo atualmente muito revelador) Google Earth, bem nas escarpas desérticas e montanhosas do Iemen, a representação de um nítido Sol, estampado e voltado para o céu, não? Aliás, não era apenas um "Sol", porém dois deles!

 

Pois, um outro dos nossos estimados visitantes foi mais fundo ainda na questão e, vasculhando aquela mesma área, logo, e bem próximo de um dos sóis, encontrou nada menos que mais duas figuras imensas voltadas para o céu: dois enormes animais semelhantes ao cavalo! E, de tão impressionado, logo a batizou com uma marca indicativa do programa que leva o seu próprio sobrenome. (FOTO: © Europa Technologies/DigitalGlobe/Google, gentilmente pesquisada e cedida pelo nosso estimado visitante Rubens Deperon)

 

E aqui está o outro, que ainda por cima ostenta estranhas inscrições bem abaixo dele! (FOTO: © Europa Technologies/DigitalGlobe/Google, gentilmente pesquisada e cedida pelo nosso estimado visitante Rubens Deperon)

 

E aqui vemos a ampliação do insólito detalhe, bem como o seu correspondente negativo, à direita. As inscrições tornam-se perfeitamente visíveis! Não é mesmo chocante?

 

Santa Catarina, Brasil, 20 de julho de 2007, precisamente 13:22 horas e, portanto, em plena luz do dia. Um UFO acintosamente, vindo do Sudeste, acercou-se da entrada daquela Capital onde pairou sobre as suas movimentadas rodovias para logo depois desaparecer no céu em estupenda velocidade após manobrar em um ângulo de 45 graus. A imagem acima foi tomada por uma emissora de TV local. (FOTO: RBS-TV, Santa Catarina, gentilmente pesquisada e cedida pelo nosso estimado visitante Nataloel Roslaniec)

 

E não há mesmo o que se discutir, uma vez que, além das centenas de perplexas testemunhas oculares da aparição, e além da indiscutível idoneidade da emissora de TV, as imagens são claras e extremamente evidentes: era mesmo um clássico UFO. E ainda dizem que eles não existem.....!

 

E a televisão chinesa, em 18 de julho de 2007, mostrou em vídeo as impressionantes imagens de nada menos que 15 objetos não-identificados se movendo sob as águas do Lago Kanas, profundo e cercado por altas montanhas. (IMAGEM: CCTV, China, gentilmente pesquisada e cedida pelo nosso estimado visitante Luis Esteves, Portugal)

 

Essa curiosa aparição foi interpretada como um monstro aquático, semelhante ao do Lago Ness, na Escócia. Porém, nesse caso em particular, fica meio difícil de se crer nessa hipótese, principalmente pela grande quantidade desses muito suspeitos e supostos "monstros aquáticos" circulando na área, diga-se de passagem detectados se movendo em altíssimas velocidades! (IMAGEM: CCTV, China, gentilmente pesquisada e cedida pelo nosso estimado visitante Luis Esteves, Portugal)

 

Nessa outra tomada, podemos verificar que, na verdade, os tais "monstros" denotam se tratar de objetos alongados, e além de tudo inteligentemente dirigidos - muito possivelmente um grupo de OSNI, Objetos Submarinos Não-Identificados. Em outras palavras, a versão submersa dos UFOs! (IMAGEM: CCTV, China, gentilmente pesquisada e cedida pelo nosso estimado visitante Luis Esteves, Portugal)

 

Essas coisas, de fato, não somente circulam abertamente nos nossos céus, como também desfilam sem a menor cerimônia nos nossos mares e lagos. E as grandes potências mundiais SABEM muito bem disso, tanto que freqüentemnte as rastreiam e até mesmo travam perseguições, além de tentarem, sem sucesso, é claro, combatê-las ou capturá-las. (IMAGEM: CCTV, China, gentilmente pesquisada e cedida pelo nosso estimado visitante Luis Esteves, Portugal)

 

Ouadne, Mauritânia, em pleno deserto do Saara. As imagens tomadas por satélites em uma certa região bem específica têm deixado atônitos os cientistas, uma vez que não encontram explicações razoáveis para um curioso "acidente geográfico" que não foi causado por um impacto de meteoro, tampouco são os restos de um furacão - e, muito menos ainda, se trata de um vulcão! Quê poderia ser, então? (FOTO: © TerraMetrics/Google)

 

Contudo, aquilo que mais tem surpreendido os perplexos cientistas é o fato de essa bizarra estrutura ostentar impossíveis padrões geológicos - sem dúvida alguma um estonteante quebra-cabeças. Porém, se atentarmos para aquilo que possivelmente seja uma base intraterrestre muito bem camuflada de UFOs, tal como tantas outras que existem espalhadas pela Terra, aí sim teremos uma explicação muito mais lógica. E não há nada de novo nisso, uma vez que eles têm sido mesmo avistados rondando aquela área com notável freqüência!

 

Nada demais nisso? Claro! É sempre bom lembrar que a NASA desde muito é acusada de manipular as suas fotos, tomadas principalmente em Marte, e no caso desse planeta em particular, no sentido de nos mostrar um mundo desolado, ora unicamente avermelhado, ora desprovido de quaisquer cores e - ao que parece - tudo de modo a camuflar e ocultar não só a existência da água em estado líquido, como também de algumas formas de vegetação e, notadamente, quanto à existência de certas estruturas..... Além de nitidamente artificiais, terrivelmente "embaraçosas", já que muito claramente representam obras de seres inteligentes em um passado muito remoto. Acima, você vê um exemplo bastante típico: à esquerda temos a foto oficial MOC EO400863. E não é que uma entidade de pesquisas sutilmente denominada "Dangerzone" (Literalmente "Zona de Perigo"), descobriu um magnífico processo que permite restaurar as cores originais de uma foto propositadamente tornada sem vida, revelando assim todas as suas nuances ocultadas, ou perdidas? Veja a mesma foto, à direita, depois de passar pelo processo em questão. Quê temos nela? Além da presença da água, os contornos de uma estranha estrutura absolutamente não convencional na estranha e sobretudo muito enigmática paisagem marciana! (IMAGEM: Dangerzone Productions)

 

O mesmo processo foi levado a efeito sobre a foto MOC E004-00863, na qual vemos uma estranha abertura para o interior do planeta, situada logo acima de uma depressão cujo fundo é dotado da mesma tonalidade azulada - muito possivelmente água! Seria uma entrada para uma base de UFOs? Ou, quem sabe, Marte ainda teria algumas colônias habitadas por sobreviventes da catástrofe que vitimou todo o planeta destruindo a sua civilização? Ou então colônias AINDA habitadas e formadas por "imigrantes" de um outro mundo qualquer? (IMAGEM: Dangerzone Productions)

 

Estranho? Sim, mas por que não, já que Marte apresenta uma intrigante rede de "dutos" sanfonados , os quais partem e igualmente se dirigem ao subsolo do planeta? Note-se a riqueza dos detalhes nas suas verdadeiras nuances de cores. E por que não neles identificarmos um UFO de tonalidade violeta, o qual jamais poderíamos ver em preto e branco, claramente pousado em meio a uma depressão? (IMAGEM: Dangerzone Productions)

 

Conseguiu ver o UFO? Não seja por isso, ampliamos o detalhe para você: olha ele aí!

 

Ué, sumiu? Sim, claro! Deu, então, para entender a sutileza da coisa? A mesma imagem em preto e branco, mediante a aplicação de um ínfimo retoque, consegue a espantosa "proeza" no sentido de de transformar um UFO em uma simples "rocha marciana" - um mero "acidente de relevo". Vive le Photoshop!

 

E quando o astrônomo Percival Lowell há muitas décadas e mediante suas observações telescópicas afirmou que existiriam "canais" em Marte, quase que foi linchado pela sempre muito ortodoxa e avessa comunidade científica. Hoje, vemos que de certa forma ele tinha toda razão. Mas, então, esses estranhos e colossais dutos (que afinal de contas são mesmo "canais"), cortando quase todo o planeta serviriam para transportar ÁGUA diretamente ao subsolo marciano?..... (IMAGEM: Dangerzone Productions)

 

Sim; sim, como não? E muito logicamente, seriam frutos de uma civilização extraterrestre INTELIGENTE, além de, obviamente, muito avançada tecnologicamente! Tudo, pois, nos demonstra que, de fato, a Dangerzone faz pleno jus ao curioso e muito apropriado nome que tem pois está, de fato, pisando em zonas muito, muito perigosas, além de extremamente proibidas! (IMAGEM: Dangerzone Productions)

 

Enquanto isso, pesquisadores japoneses descobriram um novo e muito surpreendente geoglifo situado no intrigante Planalto de Nazca, no Peru, o qual vem se somar às centenas de outras espantosas (e além de tudo inexplicáveis) imagens voltadas para o espaço sideral. No negativo, à direita, podemos ver com mais clareza a enorme extensão da bizarra imagem não-identificada, a qual apresenta, por notável e inédita característica, o fato de ter sido literalmente gravada por sobre uma vasta extensão rochosa! Primeiramente detectada - vejam só - por um satélite espião governamental norte-americano, essa gigantesca imagem tem o tamanho estimado em cerca de 65 metros, e especialmente para isso a Agência Aerioespacial Japonesa lançou em 2006 o seu satélite cujo nome é "Daichi", de modo a pesquisar com maior profundidade aquela insólita imagem ali estampada. Mas por que tanto interesse assim nessa imagem, a qual, segundo eles pensam, ou dizem, aparenta se tratar de "uma estranha criatura antropomórfica dotada de chifres"?

 

Mas, seria isso mesmo? Basta apenas e tão-somente um mínimo de boa vontade e de uma pesquisa mais detalhada para se comprovar que não é nada disso. Vamos, então, rotacionar os detalhes da imagem acima, bem como os do seu negativo, para comprovarmos que não existem "chifres" alguns, mas, sim (e bem ao invés disso), uma espécie de toucado - ou, quem sabe, do capacete de um antigo astronauta! E note-se que o personagem retratado, o qual inclusive ostenta uma vestimenta, tem as longos braços cruzados bem acima da sua cabeça, tal como se fora uma espécie de saudação, ou então um aviso, dirigido ao céu.... Muito evidente - além de UNICAMENTE - para alguém que porventura estivesse (e ainda hoje esteja) a bordo de uma máquina voadora!

 

Tudo muito estranho mesmo - tão estranho e tão sutil quanto certos tipos de múmias encontrados justamente nas proximidades de Nazca: reduzidas estaturas; enormes crânios; cavidades oculares acentuadamente ovaladas, e assim por diante! Dizem os eruditos que seriam remanescentes da "Civilização Nazca". Mas QUE civilização teria sido mesmo essa que gravava imagens espantosas e tão simétricas assim, diretamente para o céu? COMO, e exatamente PARA QUÊ, teria essa desconhecida civilização feito isso? E pelo fato de, EM MUITO, ter sido antecedente à tradicional Civilização Incaica, DE ONDE precisamente teria ela vindo?

 

Nosso estimado visitante, Thiago Miranda Lopes, do Estado brasileiro do Piauí, o mesmo que gentilmente fotografou e nos cedeu as suas excelentes imagens das enigmáticas "Sete Cidades de Pedra", mostradas na página anterior, gentilmente nos cedeu mais algumas outras bem expressivas que encontrou naquele mesmo sítio arqueológico - um sítio pré-histórico repleto de monumentos, como sempre, oficialmente atribuídos a "meros trabalhos erosivos". Este estranho monumento que você vê na parte superior, por exemplo, tem a denominação de "Pedra do Cachorro". Na verdade, trata-se da representação de um estranho rosto! (FOTO: Thiago Miranda Lopes)

 

Este outro, por sua vez, tem o nome de "Pedra do Elefante", assim batizado pela administração do Parque, como também pela população local, tendo em vista se assemelhar à imagem da face daquele animal. (FOTO: Thiago Miranda Lopes)

 

Alegria dos turistas, por sua vez a chamada "Pedra da Tartaruga" é formada pela sobreposição extremamente bem ajustada de uma profusão de blocos rochosos, os quais resultam em um formato que, para a imaginação popular, sugere uma "tartaruga"..... (FOTO: Thiago Miranda Lopes)

 

..... E vejam que precisão absolutamente fantástica; como os grandes blocos rochosos parecem ter sido moldados e milimetricamente encaixados! Não é tudo muito perfeito para se tratar de um "mero trabalho erosivo"? (Sobre FOTO: Thiago Miranda Lopes)

 

Não temos formação em Geologia, mas acreditamos que essa hipótese de "erosão" cai por terra, uma vez que nosso estimado visitante esteve também no ponto mais alto do Parque das Sete Cidades, ocasião em que tomou essa imagem muito evidente na qual a chamada "Pedra da Tartaruga" pode ser vista - ao centro e bem na parte superior. Agora a SUA vez: - Você, Prezado Visitante, é um bom observador? NOTOU A DIFERENÇA? Não se vê EM PARTE ALGUMA do relevo geológico circundante qualquer outra formação em "mosaicos" como na "Pedra da Tartaruga", tudo assim sugerindo que os blocos que a compõem foram mesmo TRABALHADOS e artificialmente empilhados para dar forma ao bizarro monumento! E aproveitando a imagem, voltamos a perguntar: - POR QUE o acesso à Sétima área das "Cidades de Pedra" é proibido pelas autoridades? Será pelo fato de que vemos, bem ao fundo e na extremidade direita, uma formação que de pronto nos lembraria UMA PIRÂMIDE? E se este for o caso, por que exatamente escondem? (FOTO: Thiago Miranda Lopes)

 

Será porque eles SABEM que, de fato, existem no imenso teritório brasileiro - notadamente escondidas pelas impenetráveis e hostis florestas amazônicas - pirâmides deixadas por uma desconhecida e muito antiga civilização? No caso específico da SÉTIMA Cidade de Pedra do Piauí, região Nordeste do Brasil, isso aí que você vê acima seria mesmo uma simples montanha? Pode até ser, mas já que é proibido ir até lá, que tal ampliarmos o seu detalhe? E se for mesmo uma imensa pirâmide, não seria muito, muito "embaraçoso" mesmo? Lamentável! MAS, QUEM TEM CORAGEM DE OUVIR O AMANHECER DO PENSAMENTO? (Sobre FOTO: Thiago Miranda Lopes)

 

Tudo isso representa perguntas que não querem calar e que, por conseguinte, nos gritam desde um passado muito distante e esquecido! Os enigmáticos olhos de algumas inusitadas e muito mais antigas múmias, petrificadas desde os tempos pré-históricos, ainda nos contemplam com um certo ar de brilho e um certo alento de vida. Eles nos perscrutam, talvez muito ansiosamente, esperando que um dia qualquer amanheça o lamentavelmente ainda adormecido pensamento dos homens, para que, finalmente, compreendam eles através da lógica de um prisma muito mais exato o quão pequenos somos diante de toda a Sublime Grandeza da Criação de Deus. Para que, finalmente, compreendamos o nosso verdadeiro papel dentro de um grandioso Esquema Cósmico e para que, por síntese, saibamos com a necessária humildade reconhecer a grande verdade de que nunca estivemos sós; de que as moradas temporais são necessariamente efêmeras e que - portanto e assim sendo - haverá sempre muitas e grandiloqüentes lições a serem devidamente aprendidas e assimiladas, advindas das brumas obscuras, perdidas, de um passado remoto que muitos insistem em desconhecer e que o tempo sempre se encarrega de fazer esquecer - um inevitável "passado" que um dia qualquer, quem sabe, poderá, TAMBÉM, vir a ser o nosso próprio e muito implacável destino. As civilizações, nascem, crescem, vivem, morrem. E inúmeras podem ser as causas desse inevitável desenlace: a destruição pelo homem da própria terra que o alimenta e abriga, tal como hoje o fazemos; as estúpidas guerras, e assim por diante. E nesse particular, lembremos aquilo que uma outra grande lição nos ensina: - Todo aquele que aproximar a mão de uma chama, forçosamente terá essa mão queimada. E tantas e quantas vezes assim o fizer, esta mão será ferida. Até que a lição seja finalmente aprendida..... Ou até que não haja mais a mão para ser queimada!

 

Próxima Página

Página Anterior

Somewhere in Horizon