Home

NOS DOMÍNIOS DO REALISMO FANTÁSTICO

A OUTRA FACE DE JANUS

"Em todas as épocas o Homem tem se inclinado sobre o seu destino, fazendo a si mesmo a tríplice pergunta: "Quem somos?, De onde viemos?, Para onde vamos?" - Se não podemos ainda antecipar sobre o futuro ou preconceber sobre o devir, isso se deve na verdade a uma razão bem simples: não conhecemos a outra face de JANUS, que é a do passado, ou antes, julgamos ver seu rosto, e esse rosto, entretanto, continua afogado na sombra"

(Jean-Michel Angebert - O Livro da Tradição)

 

JANUS, deus romano identificado com o mistério das portas e dos portais, como também de todos os começos, era representado como uma divindade dotada de duas faces opostas. Sim, pois em tudo aquilo que nos cerca há, e sempre haverá, uma dupla face: uma revelada e a outra oculta. É precisamente esta última que exploramos! Na foto, um estranho artefato metálico encontrado em uma milenar tumba egípcia. De finalidade e origem ignoradas, classificaram-no como "uma lâmpada". Mas teria sido isso mesmo? Há inúmeras provas, conclusivas, que no nosso mais remoto passado existiu, e de fato ocorreu, a utilização de fantásticas tecnológicas ainda hoje desconhecidas.

 

Uma delas, por exemplo, foi a ciência da mumificação praticada no Antigo Egito, através da qual os corpos eram preservados através de técnicas desconhecidas, mantendo as células de certa forma vivas por milhares de anos. Contudo, os hábeis sacerdotes e os embalsamadores das margens do Nilo parece que, diante de uma fantástica descoberta arqueológica, perderam a supremacia nesse particular.

 

Existem muitos meios para a preservação de corpos. Um deles é o natural, porém sempre de acordo com certas condições. O gelo, por exemplo, é um deles. Na foto revemos Otzi, o chamado "Homem do Gelo", um habitante dos tempos pré-históricos que foi assassinado nos Alpes Italianos. Graças à baixa temperatura, seu corpo ressequido pôde ser assim tão perfeitamente conservado por durante milhares de anos. Contudo, em todas as múmias, ou em corpos ainda perfeitamente preservados, sejam pela mumificação ritual ou por condições propícias de terrenos, uma certeza é absoluta: o chamado "rigor mortis" os torna literalmente endurecidos, estáticos e sem qualquer capacidade de movimentação.

 

Porém, toda regra por vezes comporta as suas mais intrigantes exceções, e o Realismo Fantástico explora justamente as mais espantosas exceções de todas as regras! Acima, você vê a capa de um vídeo da NOVA MAGAZINE cujo título é "AS MISTERIOSAS MÚMIAS DA CHINA". Um título com o qual concordamos inteiramente por várias razões, as quais lhe apresentaremos justamente agora nesta nossa modesta página:

 

Na foto, você vê uma urna funerária chinesa com a idade de mais de 2 mil anos, perfeitamente íntegra e ainda ostentando todas as suas cores originais, encontrada em 1971 próxima da cidade de Changsha, em uma gigantesca sepultura subterrânea. Surpreendente, não?

 

De fato! Contudo, o mais surpreendente ainda estava no interior daquela tumba: a múmia envolta na mais fina seda e contendo o corpo muito bem preservado de uma mulher que pertencera à antiga nobreza chinesa.

 

Até aí, nada de mais. Essa mulher, morta há 2.100 anos, cuja múmia acha-se atualmente em exposição no Hunan Museum, de acordo com as inscrições se chamava Xin Zhui - esposa imperial que pertencera à Dinastia Han. Os cientista batizaram-na de Lady Dai. Um tanto ou quanto deformada pelo fato de ter sido abruptamente retirada do seu sarcófago e das condições que a preservavam, houve um estranho motivo para que esses atônitos cientistas, médicos, antropólogos e arqueólogos chineses (e posteriormente seus colegas ocidentais que, dado ao seu caráter inusitado, foram igualmente convocados a examinar esse estranho achado) ficassem literalmente atordoados com o que se depararam durante a sua autópsia: (FOTO: China Daily)

 

Ao contrário dos rituais egípcios de mumificação, nos quais os órgãos internos eram retirados e preservados à parte das múmias, os milenares rituais chineses mantinham os corpos intactos, isto é, com todos os órgãos internos nos seus devidos lugares. E contrariando tudo aquilo que conhece, Lady Dai, mesmo após ter sido sepultada há mais de 2 mil anos, TINHA NAS VEIAS SANGUE AINDA LÍQUIDO DO TIPO "A"; SUA PELE ESTAVA ELÁSTICA; CABELOS INTACTOS E AINDA VIÇOSOS; SEU CORPO OSTENTAVA COLORAÇÃO NORMAL; SEUS MEMBROS ATÉ MESMO PODIAM SER DOBRADOS E MOVIMENTADOS..... E SEUS ÓRGÃOS INTERNOS ESTAVAM TÃO ÍNTEGROS E FRESCOS COMO SE FOSSEM OS DE UM CADÁVER RECENTE! Havia até mesmo sementes frescas de melões no seu macio estômago, como se ela tivesse feito sua última refeição naquele exato momento! Por isso mesmo, ela foi considerada a múmia mais bem preservada e mais perfeita que se conhece.

 

Algo totalmente impossível, porém bastante real. E da mesma forma, tudo aquilo que estivera no interior da rica sepultura parecia ter sido enterrado apenas "ontem"! (FOTO: National Geographic)

 

Tapeçarias, cerâmicas, roupas, mais de mil artefatos, tudo, enfim, se encontrava em perfeito e intrigante estado para se tratar de coisas enterradas por durante 2100 anos! (FOTO: National Geographic)

 

Aqui, uma das roupas de Lady Dai. Macia e em perfeito estado de conservação!

 

E aqui, as modernas técnicas da Antropologia Forense permitiram concluir como fora em vida a face de Lady Dai, revelando após 2 mil anos a beleza, a graça e a delicadeza inerentes às mulheres orientais.

 

Muito embora seja um assunto tabu e proibido, uma vez que o Governo daquele país ao que se saiba proibiria o acesso a esses locais, HÁ PIRÂMIDES NA CHINA! Essa antiga foto, secretamente tomada por um explorador ocidental, nos mostra uma delas situada em Xinji Yang. São vestígios por demais embaraçosos, uma vez que não pertencem à tradicional Cultura Chinesa, sendo, por conseguinte, antiqüíssimas obras de uma desconhecida civilização que habitou seu vasto território e desaparecera em tempos muito distantes. Existe, porém, algo ainda muito mais surpreendente do que isso:

 

Mas como teria sido possível conservar tudo aquilo e manter um corpo de Lady Dai tão perfeitamente preservado por durante tanto tempo? Qual teria sido o espantoso segredo empregado pelos embalsamadores e os sacerdotes chineses de milhares de anos atrás? Até hoje não se encontraram respostas para tão intrigante mistério. De nossa parte, porém, temos uma pista com a qual certamente a Ciência clássica não concordaria. A câmara funerária de Lady Dai foi profundamente enterrada em uma estranha e além de tudo inusitada estrutura arquitetônica, a qual, aliás, você pode ver na foto. Não lembraria algo? Sim, UMA PIRÂMIDE INVERTIDA, na verdade era mesmo uma pirâmide invertida! E como sabemos (e a própria Ciência de Vanguarda já constatou e admite), as pirâmides têm a estranha propriedade no sentido de conjugar e interagir forças cósmicas e telúricas - extraordinariamente capazes de preservar com as suas desconhecidas e misteriosas energias o que quer que esteja no seu interior por tempo indeterminado!!! Estranhamente, toda a câmara funerária foi recoberta com carvão e a argila completando o trabalho até o "topo" invertido (ou base) da tal pirâmide, sendo esta posteriormente camuflada com terra como se fosse um dos "Mounds" que se acham espalhados por outros lugares do mundo e que devem igualmente nos reservar grandes surpresas se devidamente escavados - o que parece não interessar a ninguém. De qualquer forma, foi a primeira pirâmide invertida encontrada no mundo, tudo sugerindo que possam existir outras! Analisemos bem: por qual razão os construtores teriam motivos para construir uma trabalhosa e muito precisa tumba em forma de pirâmide? Não teria sido mais prático e até mesmo mais fácil construir um fosso? Ou.... SERÁ QUE ELES TERIAM APROVEITADO UMA EDIFICAÇÃO MUITO MAIS ANTIGA, ORIGINÁRIA DE UMA OUTRA PERDIDA CULTURA? Por sua vez, no interior hermético do sarcófago de Lady Dai foi também encontrado - envolvendo totalmente a múmia - um estranho líquido...... (FOTO: National Geographic)

 

Isso, porém, não é tudo: Alguns outras curiosas múmias foram também encontradas na China, sempre em sepulcros muito bem escondidos e profundos, encerradas dentro dos seus sarcófagos hermeticamente fechados e.... CONTENDO NOS SEUS INTERIORES UM LÍQUIDO MISTERIOSO QUE PERMITIA MANTER OS CORPOS FLEXÍVEIS COMO SE TIVESSEM MORRIDO NAQUELA MESMA HORA EM QUE FORAM ENCONTRADOS! Seus braços e pernas podiam ser dobrados e os seus corpos erguidos sem qualquer esforço! As análises químicas efetuadas tanto na China quanto em laboratórios ocidentais não puderam concluir a sua composição e tampouco o que exatamente ele era! E tão logo os corpos eram retirados dele, começava o processo de decomposição que, de acordo com toda a a lógica, inexplicavelmente deveria ter sido iniciado há milhares de anos atrás! Os cientistas (desde o distante ano de 1971) ainda não solveram tão atordoante enigma e alguns até mesmo já admitem que se trate de uma fantástica e desconhecida espécie de "elixir da imortalidade" cuja fórmula se perdeu no tempo! (FOTO: National Geographic)

 

Resquícios tecnológicos de uma avançada civilização, muito mais antiga do que a chinesa, e que se perdeu no tempo? Sim, TUDO INDICA QUE SIM! Naquele território muito antigo, têm sido encontradas certas múmias tão bem preservadas que parecem estar apenas dormindo! Os próprios cientistas e os arqueólogos reconhecem que essas assombrosas e inexplicáveis técnicas de embalsamamento encontradas na China deixam "na poeira" os hábeis artesãos funerários do Antigo Egito! (FOTO: AFP)

 

Eis um outro exemplo típico. Só que essa múmia também encontrada na China, precisamente em Tarim Basin, jamais pertenceu à Raça Chinesa, mas, sim, à tal misteriosa e muito mais antiga raça que um dia habitara aquele território! Uma raça muito evoluída e que foi a precursora dos processos de mumificação! E, o mais impressionante de tudo, uma RAÇA CAUCASIANA, isto é, branca, dotada de uma tipologia tipicamente "européia"!!!

 

Existe uma outra área na China denominada "Silk Road", ou "Estrada da Seda", que tem sido pródiga no encontro das múmias dessa espantosa raça. (FOTO: AP)

 

Outro exemplares de múmias achados na "Silk Road". Essas duas, aliás, tinham em seu poder um estranho e não-identificado mapa celeste! (FOTO: AP)

 

Aqui uma múmia encontrada em Yastana. De onde teria vindo essa misteriosa raça?

 

Em uma outra localidade chinesa denominada Takla Makan, inúmeras múmias da tal raça - dotada de tipologia "européia" - foram encontradas. Verdadeiros "retratos", ainda ostentavam seus cabelos louros ou avermelhados e também as mulheres as suas longas e muito bem elaboradas tranças (foto)!

 

Sim, na verdade são "retratos" - de certa forma bastante vívidos, e não múmias decompostas como normalmente acontece em outros lugares do mundo! Surpreendentemente, ainda estão com as suas roupas, as quais ainda mantêm as suas cores originais. São seres muito altos, bem proporcionados e dotados de um biotipo completamente divergente dos ancestrais da população chinesa!

 

E não se pode atribuir ao solo chinês as propriedades que eventualmente poderiam ter proporcionado tamanha perfeição e a espantosa conservação dessas múmias desconhecidas que parecem apenas dormir. Conforme os cientistas constataram, qualquer corpo colocado ao solo, mesmo mumificado e cuidadosamente preservado, imediatamente entraria em decomposição devido à umidade e à porosidade acentuada do solo chinês!

 

Há criptas muito antigas e desconhecidas espalhadas por todo o imenso território da China. Quem as construiu ali deixou seus mortos após os corpos terem sido mumificados através de espantosas e desconhecidas técnicas as quais, de fato, deixariam até mesmo os antigos mestres egípcios dessa velha arte estupefatos!

 

A Civilização Chinesa é inegavelmente muito antiga, mas essas insólitas múmias dizem respeito a uma desconhecida civilização MUITO MAIS ANTIGA do que ela! Uma raça muito evoluída que já praticava a mumificação ritual com requintes e técnicas sem precedentes, as quais de certa forma foram absorvidas pela mais "recente" civilização que veio a sucedê-la - precisamente a Chinesa.

 

E nesse particular, são igualmente notáveis as múmias dessa mesma estranha raça encontradas na Província de Xinji Yang, lá mesmo onde há as pirâmides probidas - todas muito bem acondicionadas e espantosamente preservadas nos interiores dos seus herméticos sarcófagos pétreos!

 

Há mistérios ainda insondáveis no campo da Arqueologia. Muito embora certos setores obliterados se recusem a admitir o óbvio, por todas as partes do planeta esses inquestionáveis vestígios quanto à existência no nosso mais remoto passado de estranhas raças, espalham-se por todos os cantos. Na foto acima, você vê um enorme crânio encontrado em 1982 com muitos outros ossos de "gigantes", por sua vez no território dos EUA - exatamente durante a construção de uma estrada nos pantanais da Flórida. Datados de uma antigüidade de 7.500 anos - teoricamente muito antes de Stonehenge e as pirâmides do Egito terem sido erigidos - essa estranha raça andou pela face da Terra. Nada menos que 150 múmias foram encontradas, muito bem preservadas e envoltas nas suas bandagens - e todas com os seus cérebros nos lugares, os mais antigos cérebros jamais descobertos! Sabe-se que os cientistas ainda trabalham nessa pesquisa, tentando através dos exames de DNA localizar a sua procedência e também reconstituir as suas aparências através das avançadas técnicas de Antropologia Forense, porém (e apesar de todas as tentativas) nada puderam descobrir a respeito.

 

E como já estamos cansados de saber, as montanhas de todo o planeta ostentam as marcas da passagem dessas estranhas raças pelos corredores do nosso mais remoto e obscuro passado. Aqui, vemos uma imagem de um inusitado local situado no Texas, EUA, denominado "The Creek", situado nas proximidades da Highway 50. Ali, estranhos rostos em pedra também fitam a eternidade.....

 

.... E como em todas as demais, não se pode em sã consciência atribuir tudo isso a um mero capricho da erosão. Houve, sem qualquer dúvida, uma vontade inteligente por trás de tudo. Também nessa outra montanha, vemos uma profusão de esculturas igualmente mostrando rostos.

 

The Creek, considerado como "um lugar de muitos rostos", ostenta ainda algumas outra bizarras imagens nas suas rochas. E como geralmente acontece nos demais lugares onde existem tais desconhecidos e muito antigos monumentos, a atmosfera é "pesada", tem algo de solene, diríamos sepulcral e simultaneamente mística. Aqui, porém, um estranho fenômeno acontece: não há pássaros, e estes nem mesmo o sobrevoam. Da mesma forma, não existem e não circulam quaisquer animais silvestres por lá - como se, orientados e advertidos, por puro instinto evitassem o bizarro lugar. Tal fato levou a população das cercanias a ver nesses rostos e nos seus muitos símbolos alguns personagens bíblicos - uns angelicais e outros demoníacos!

 

À esquerda, na foto, a "Virgem" de The Creek. Observe-a bem. Não é mesmo chocante? Que imagens muito expressivas seriam essas; que rostos seriam esses; que profundíssimas mensagens nos transmitiriam? Não importa agora. O que importa é que eles se mostrem, sejam mostrados - sejam finalmente vistos por aqueles que enxergam e algum dia inteiramente compreendidos. E se somos acusados de herético por desafiar a Arqueologia, a Religião e a História tradicionalmente aceitas e impostas, divulgando idéias por "eles" - os céticos. os obtusos e os despeitados - consideradas como "estapafúrdias", "besteiras"e outras sandices menos publicáveis, também pouco importa. Apenas importa que por enquanto nos limitemos a responder a eles com a notável frase de William Shakespeare: - "O herético não é aquele que é queimado na fogueira, mas sim aquele que acende a fogueira".

 

 

Próxima Página

Página Anterior

Heretic