Home

NOS DOMÍNIOS DO REALISMO FANTÁSTICO

NADA DE NOVO SOB O SOL!

"Não há nada que nos possa impedir de acreditar que algumas raças hoje desaparecidas tenham atingido não só os nossos conhecimentos atuais, mas também conquistado poderes que ainda não possuímos. As tradições científicas da Antigüidade poderiam ser o eco de épocas pré-históricas, de uma idade em que os homens já palmilhavam a nossa mesma estrada"

(Sir Frederic Soddy - Prêmio Nobel 1921)

 

Sem dúvida, o cientista e Prêmio Nobel já no distante ano de 1921 tinha toda razão - e as gritantes evidências espalhadas por todas as partes deste nosso planeta assim o atestam: no nosso remoto passado existiram civilizações altamente desenvolvidas tecnologicamente, das quais algumas outras que se seguiram foram as herdeiras, e conseqüentemente as sucessoras diretas! As pistas se avolumam e o cerco a uma espantosa verdade, desde muito oculta, lentamente se fecha.

 

E principalmente essas chocantes evidências nos provam que nem sempre as velhas lendas seriam mesmo "meras lendas". Na foto, você vê uma rocha milenar que espantosamente continha um mapa do nosso globo, mostrando além do Pólo Norte os contornos bem precisos dos continentes das Américas do Sul, Central e Norte, e ainda..... Um outro continente em meio ao oceano que atualmente denominamos "Atlântico" - logicamente a representação da perdida ATLÂNTIDA!

 

Todo progresso tecnológico, se mal utilizado, logicamente terá o seu amargo preço. E essas prodigiosas civilizações do passado, tal como atestam todas as velhas Tradições, sucumbiram após um grande e violento cataclismo que devastou toda a superfície da Terra. O que, por sinal, TUDO indica ter se tratado de uma conflagração nuclear! Acima, você vê as intrigantes ruínas volatilizadas de Borsippa - localizadas no Iraque, precisamente na atual Província de Hillah.

 

Aqui, há muitos milênios atrás, uma força sinistra, avassaladora e demoníaca, literalmente derreteu tudo!

 

Na foto, um outrora imponente zigurate de Borsippa totalmente derretido. A esse respeito, o cientista E. Zehren, na sua obra "Die Biblischen Hügel", escreveu: - "Que energia poderia ter fundido os tijolos desses zigurates? Nenhuma, a não ser a luz monstruosa de uma bomba atômica".

 

Também no Vale do Indo, cena de outras explosões nucleares ocorridas em tempos remotíssimos (por sinal ampla e perfeitamente descritas nos seus livros religiosos e tradicionais), o Professor Goborsvki, autor do livro "Enigmas da Antigüidade", através das suas pesquisas descobriu em vários locais um índice de radioatividade ainda hoje muitas vezes superior ao normal. Centenas de milenares esqueletos das suas antigas populações, escavados nesses sítios (foto), apresentavam elevadíssimos índices de contaminação nuclear!

 

E aqui temos algo verdadeiramente surpreendente: o explorador H.J. Hamiltom, em uma floresta do Nordeste Indiano, deparou-se com estranhas e inexploradas ruínas, perdidas em meio à selva hostil. Todo o estranhamente silencioso local estava literalmente "cristalizado", desde as paredes até o solo! Em uma certa área, porém, encontrou algo que o deixou estarrecido - e além disso verdadeiramente apavorado: em meio ao cristal que permeava tudo, sobressaía uma vaga forma humana! Julgando tratar-se de uma velha estátua corroída pelo tempo, encheu-se de horror quando finalmente constatou que aquela força sinistra que no nosso mais remoto e desconhecido passado volatilizou e derreteu tudo, vitrificando de um só golpe toda a cidade, também derretera um ser humano agregando-o ao cristal - tal como se fosse uma mosca presa em meio a uma gelatina (foto)! Hamiltom não se deu ao trabalho de procurar mais corpos e, diante dessa cena surrealista e macabra, tratou de cair fora dali o mais rapidamente possível!

 

Sim, mil vezes SIM! E não adianta os negadores e os debochados esbravejarem mediante os seus argumentos pífios: há as inegáveis marcas das velhas e muito evoluídas civilizações por todo este nosso pequeno mas desconhecido mundo! Desde milênios sem conta, antigos rostos fitam a eternidade - talvez como uma solene espécie de advertência àqueles que as sucederiam..... Tal como uma prova silenciosa de que toda glória será sempre fugaz. Na foto acima, uma nova e impressionante visão do Planalto de Nazca, Peru, a qual mais se parece com uma paisagem marciana. Essa fotografia aérea nos mostra que além das impressionantes imagens gravadas para serem vistas do espaço sideral, parece que também imensos rostos foram esculpidos nas suas rochas. Observe com bastante atenção, principalmente a figura esculpida na rocha superior.

 

As marcas de uma fantástica e muito antiga tecnologia espalham-se por todos os lados! Uma insólita tecnologia que permitia aos Antepassados Superiores não somente voar como também moldar montanhas inteiras, nelas deixando as suas marcas para a posteridade! E nesse particular, será sempre bom que retornemos à misteriosa Pedra da Gávea, na Cidade do Rio de Janeiro, onde a 847 metros de altitude um imenso rosto de granito foi esculpido. E não só o rosto, como também TODA a enorme montanha foi moldada sob a forma de uma esfinge leonina. Isso sem contar as enormes cintas de indecifradas inscrições que circulam toda a sua lateral leste, em locais onde ainda hoje os nosso mais ousados alpinistas sequer conseguem alcançar!

 

Contudo, já não abordamos amplamente nessas nossas modestas páginas a Esfinge da Gávea? Certo! Mas por que exatamente estamos voltando a ela? Simplesmente porque é muito importante que você saiba o QUÊ exatamente está postado bem diante dela, por sua vez em uma outra curiosa montanha: (FOTO: © Terrabrasil)

 

Uma outra curiosa montanha, cuja altitude é de 696 metros e que tem o nome de Pedra Bonita - aqui vista bem em frente ao colossal rosto de granito da Gávea! (FOTO: © Terrabrasil)

 

E dizemos "curiosa" pelo fato de ela ter sido ARTIFICIALMENTE APLAINADA! Isso, ressalte-se, em tempos remotíssimos e sem dúvida alguma simultaneamente produzido quando o misterioso Complexo da Gávea foi edificado pelos seus desconhecidos construtores!!! (FOTO: © Terrabrasil)

 

Porém, não é só isso! A atual vegetação do seu topo esconde algo verdadeiramente surpreendente: são os chamados SETE CÍRCULOS DA PEDRA BONITA! Com um diâmetro de 15 metros, e escavados na dura rocha a uma profundidade de 35 centímetros, os sete círculos perfeitamente concêntricos ainda ostentam ao centro uma grande cavidade. Até bem pouco tempo perfeitamente visíveis, principalmente por quem estivesse a bordo de uma máquina voadora, eles tinham uma espécie de demarcação de cor intensamente branca, tornando-os claramente discerníveis - tal como os nossos modernos aeroportos ostentam as suas marcas de sinalização para pousos! Todavia, a vegetação que teima em encobri-los não é impedimento para a eterna manifestação de um estranhíssimo fenômeno: como se tivessem uma espécie de luz própria, ou uma recôndita inteligência, nas noites de Lua cheia parecem adquirir vida e brilham intensamente para o céu!!! (FOTO: © Terrabrasil)

 

Estranhíssimo e além de tudo insólito fenômeno que, aliás, pode ser visto nesta antiga foto do local - tomada à noite há algumas décadas e gentilmente enviada por um dos nossos estimados visitantes!

 

Mistérios e mais mistérios! Aqui, uma tomada aérea da sua vizinha, a Pedra da Gávea, que também teve todo o seu topo misteriosamente aplainado. Diga-se de passagem, um notável ponto de incidência dos UFOs na região do Rio de Janeiro e onde instrumentos de navegação de aeronaves, bússolas e aparelho eletrônicos ficam desorientados. (FOTO: © Terrabrasil)

 

E por falar neles, os UFOs, aqui temos uma tomada aérea da Pedra Bonita. Consegue ver algo bastante estranho nessa imagem? (FOTO: © Terrabrasil)

 

Se acaso não conseguiu, reveja os detalhes devidamente ampliados..... Dois estranhos rostos que lembram ALIENS!

 

E ao que parece, também a Pedra Bonita teria um rosto esculpido na vertente, por sua vez fitando o seu gigante irmão da Gávea! Observe bem a área quase no topo da montanha, e comprove no negativo, à direita. Como detalhe curioso, note-se que a parte aplainada juntamente com o seu prolongamento, sugere uma concavidade inexistente.

 

E nas proximidades das Pedras da Gávea e Bonita - para sermos exatos bem ao lado delas - temos uma outra montanha cujo nome é "Pedra da Agulhinha", a qual também ostenta uma inusitada "curiosidade"......

 

..... E se você não a conseguiu visualizar, aqui está o seu impressionante detalhe ampliado: a escultura de um bizarro personagem que parece usar um manto!

 

Morro Dois Irmãos, situado próximo e na direção da lateral leste da Pedra da Gávea, já na Zona Sul da Cidade do Rio de Janeiro - outras montanhas que igualmente foram moldadas sob a forma de duas estranhas criaturas - postadas frente a frente e que parecem, sob um outro ângulo, USAR MANTOS! Observe bem o "rosto" que é nitidamente visível em uma delas. A montanha tem este nome desde tempos imemoriais e os navegadores Portugueses, já quando colonizaram as terras do Brasil no ano 1500, ouviram dos índios uma lenda que tem tudo a ver com isso. Em páginas anteriores nos referimos a ela, mas se por acaso você não lembra vamos refrescar a sua memória: - há muito milhares de anos os "deuses" travaram uma batalha em um planeta distante. Essa guerra estendeu-se pelo espaço sideral até as suas colônias mais distantes e DOIS IRMÃOS fugiram para a Terra em um pássaro voador. Os inimigos estavam na perseguição, em um outro pássaro de fogo, travando-se então um combate aéreo por sobre as águas onde hoje se situaria a Baía de Guanabara (Enseada de Botafogo, mais precisamente). A espaçonave (vamos chamá-la assim) dos irmãos foi abatida e ambos teriam perecido neste acidente. Tal fato teria causado grande consternação aos "deuses" da sua raça, os quais teriam em homenagem a eles deixado marcas da sua presença, tais como SÍMBOLOS, INSCRIÇÕES alusivas ao fato em diversos locais, como também MONUMENTOS comemorativos para que fossem eternamente lembrados. Além disso, ambos TERIAM SIDO AQUI ENTERRADOS com grande pompa, em local secreto e severamente protegido pelas "maldições e bruxarias" daqueles seres. Lembremos, por oportuno, que já naquele época os índios a consideravam um local sagrado e chamavam a Pedra da Gávea de "O rosto do deus". Engraçado, não? Até os índios que, por sinal, evitavam temerosamente o local, já entendiam que se trata mesmo de um rosto, ao contrário de alguns modernos sábios que dizem ser apenas "um simples trabalho erosivo, moldado desde o Período Pré-câmbrico", isto é, cerca de 600 milhões de anos! (FOTO: © Terrabrasil)

 

O Morro Dois Irmãos visto da exuberância da Praia de Ipanema, Zona Sul do Rio de Janeiro. Alguns quilômetros além dele, como que fornecendo uma pista para a sua localização, situa-se a Pedra da Gávea. Essa enorme montanha tem a semelhança de dois personagens, como já dissemos usando mantos, que se unem como que retratados em um fraternal abraço. Haveria sarcófagos alienígenas encerrados no interior da Pedra da Gávea? As velhas lendas e as tradições do local dizem que SIM! E as tais "maldições" - ou, se preferirmos usar um termo mais técnico, "campos de forças desconhecidos" - parecem mesmo guardar o local e, por sinal, já liquidaram muitas vítimas mais ousadas que se atreveram a desvendar e profanar os seus milenares e muito bem protegidos segredos.

 

A lenda dos Dois Irmãos parece que se espalha, se materializa por toda a Cidade do Rio de Janeiro. Na sua região Oeste, precisamente um pouco além da Pedra da Gávea e já no bairro de Jacarepaguá, também próximo ao litoral, eis o que temos: outro morro popularmente denominado "Dois Irmãos" - nada menos que duas gigantescas faces, sendo a da direita dotada de feições tipicamente leoninas! Seria tudo isso mera coincidência, ou ainda "simples obra da erosão" - assim como preferem os comodistas? Não, decididamente NÃO! Só não enxerga mesmo essas coisas quem não quer!

 

Vestígios de glórias pretéritas, visões diáfanas, inquietantes - olhos muito antigos, cavos, porém atentos, que contemplam e desdenham da eternidade. Monumentos silenciosos que, muito embora paradoxal, verdadeiramente nos gritam desde tempos imemoriais e esquecidos, lembrando-nos que as sempre fugazes glórias terrenas são, de fato, passageiras, e as frágeis moradias temporais inevitavelmente efêmeras! As rochas são eternas. E tudo aquilo nelas deixado sobreviverá ao tempo e às civilizações que o percorrem, como também àquelas que virão um dia a percorrer os seus sempre nebulosos corredores. Do pó ao átomo, e do átomo lamentavelmente ao pó - essa será uma lei cruel e para sempre inflexível, até que a grande e dolorosa lição seja finalmente aprendida. E essa grandiloqüente lição se faz, então, ainda uma vez, presente: a ciência desprovida de alma pode, agora, neste Século XXI, matar mais de 10 bilhões de pessoas, toda população da Terra. Destruir de um só golpe - assim como parece ter ocorrido no nosso remoto passado - alguns milênios de conquistas e de evolução planetária.

 

Pois, diante da fúria dos elementos e da ira da Natureza violada, os mares tornam-se terras e as terras se tornam mares. As cidades sucumbem e as raças pervertidas inexoravelmente se extinguem. O Átomo é o Próprio Deus, uma vez que tem em si a Essência Primeva e Sustentadora de toda a Criação. E assim, a blasfêmia, toda soberba daqueles se se julgam os seus senhores, será inevitavelmente castigada - e tal como como fora dantes, nada mais restando do que patéticas e solitárias ruínas.

 

Próxima Página

Página Anterior

Final Fantasy