Home

NOS DOMÍNIOS DO REALISMO FANTÁSTICO

LIZARD EYES!

"É óbvio que o Universo contém mistérios não apenas inexplicados por nós, mas também inconcebíveis para a nossa imaginação. Alguns dos mistérios mais fundamentais não se situam, necessariamente, nas distantes estrelas, mas estão perturbadoramente mais próximos"

(Charles Berlitz)

 

Lizard Eyes, os Olhos do Lagarto.... Por que exatamente esta referência nesta nossa página? Porque a visão binocular periférica permite-lhes bisbilhotar o que ocorre ao seu redor, uma propriedade útil ao seu papel de vítima na cadeia alimentar. Por outro lado, seus predadores miram precisamente os seus alvos com uma visão unicamente limitada e frontal. O lagarto tem as suas pálpebras inferiores mais móveis que as superiores, as quais formam "óculos" para proteger a córnea, além disso enxergam com extrema eficiência na escuridão. De uma certa forma, a nossa humanidade tem tido a sua visão das coisas somente unidirecional, ou seja, apenas enxerga aquilo que lhe colocam diante dos olhos. Já o lagarto, esse muito peculiar espécie da Natureza, nos ensina uma grande lição: olhar também para a frente, mas simultaneamente observar os dois lados e tudo aquilo que ocorre ao seu redor, de modo a obter uma visão mais ampla das coisas que lhe cercam. Então, o Realismo Fantástico, apesar dos seus vorazes e sempre hostis predadores, dotados unicamente da limitada visão unidirecional, desempenha o mesmo papel desses répteis, enxergando para muito além do convencional e melhor ainda na escuridão, exatamente para os dois lados: os fatos e o subsolo dos fatos, perscrutando assim as grandes e surpreendentes realidades que nos cercam.

 

De fato, os olhos mais perspicazes podem, por exemplo, enxergar que certas fotos tomadas pelos módulos espaciais por sobre a misteriosa e intrigante superfície do planeta Marte, nos mostram coisas verdadeiramente surpreendentes. Veja, por exemplo, aquilo que está assinalado pela elipse, nas proximidades do que parece ser um enorme lago....

 

.... Aqui devidamente ampliado, e em preto e branco para maior realce. Não se parece mesmo com um enorme animal - do tipo daqueles que vagavam por aqui, pela nossa Terra, nos tempos pré-históricos?

 

E esta recente foto nos foi enviada por um visitante que trabalha em uma empresa de mineração no Estado do Pará. Nela, seguindo rumo ao espaço sideral e na direção da Lua, um enorme e muito brilhante UFO triangular parte da imensidão da Floresta Amazônica! O quê eles tanto fazem por aqui? Haveria um elo qualquer no nosso planeta que talvez se identificasse com os seus desconhecidos tripulantes?

 

Tudo indicaria que SIM, na terra, no céu e no nosso mar misteriosos. Em recentes explorações efetuadas no impressionante complexo submerso de Yonaguni - assunto anteriormente tratado neste Site - próximo ao Japão (no Oceano Pacífico e, portanto, segundo as Tradições onde se situava o perdido continente da Lemúria) dentre as colossais ruínas deixadas por uma perdida e além de tudo milenar civilização, outro enigmático rosto de pedra é encontrado.....

 

..... Aqui visto em uma foto mais aproximada!

 

Aqui, o gigantesco complexo submerso de Yonaguni devidamente mapeado. Sim, o misterioso mar guarda no seu seio os restos de inúmeras perdidas civilizações que um dia estiveram na superfície da Terra. Civilizações estas que remontam há milhares de anos recuados no nosso desconhecido passado. Muitas mudanças ocorreram na estrutura do nosso mundo. Terras se tornaram mares e mares se tornaram terras - Deserto do Saara, por exemplo. Cataclismos, maremotos e terremotos, varreram o planeta em oportunidades e ocasiões sem conta. Continentes se moveram, afundaram e outros surgiram. Assim, jamais se poderia negar as evidências tão avassaladoras quanto essas que muito freqüentemente surgem.

 

Há misteriosos sinais também na superfície. Em San-Ninu Dai, um região costeira próxima do complexo submerso de Yonaguni, as montanhas estão repletas de misteriosos caracteres.

 

Aqui, a imagem nos mostra mais caracteres desconhecidos presentes nas montanhas de San-Ninu Dai.

 

Caracteres idênticos aos que se acham gravados nas submersas estruturas de Yonaguni!

 

Sinais que ainda por cima coincidem com os esparsos fragmentos de um milenar livro que foi encontrado por expedições arqueológicas de superfície, realizadas nas proximidades (foto)! Sinais que, por vezes e de acordo com os relatos de testemunhas, estão ainda hoje presentes....... Nas estruturas externas, nos interiores e também nos destroços recolhidos dos UFOs acidentados!

 

Como, por exemplo, nos destroços do UFO acidentado em Roswell!

 

Todo os oceanos verdadeiramente guardam os seus segredos. Recentemente, próximo a Taiwan, as imponentes ruínas de colossais muralhas e estruturas foram encontradas. Algumas expedições estão atualmente trabalhando no local.

 

Porém, de que adianta descobrir para depois silenciar? Que fim levaram as pesquisas que revelaram a existência das espantosas ruínas submersas nas proximidades do litoral de Cuba - assunto por sinal já extensamente abordado em página anterior deste site? Qual o interesse em bloquear e sufocar tais sensacionais descobertas? O quê estaria por trás de tudo isso? (FOTO: © ADC)

 

Pesquisas estas envolvendo os mais sofisticados e caríssimos equipamentos, e que ali revelaram não só a existência dos gigantescos e desconhecidos complexos arquitetônicos submersos, possivelmente os restos da perdida Atlântida, como também certos objetos, digamos bem "embaraçosos", repousando nas profundezas do oceano! Nesta foto obtida por intermédio de um robô submarino já que a distância impede a presença dos mergulhadores, vemos um intrigante objeto triangular pousado sobre um enorme bloco rochoso - uma antiga astronave, ou quem sabe um OSNI, popularmente conhecido como Objeto Submarino Não-Identificado? (FOTO: © ADC).

 

Bem próximo dali, também repousam as "esquecidas" ruínas submersas do Bimini - na região do famigerado Triângulo das Bermudas. O famoso Muro de Bimini, uma espécie de estrada, ou colossal muralha, que se dirige rumo às profundezas do Oceano Atlântico, ainda aguarda os seus desbravadores. Tais sensacionais evidências arqueológicas, prontamente rejeitadas pela Arqueologia oficial, somente foram detectadas em 1968, através de observações aéreas e também pelas corajosas expedições submarinas isoladas, levadas a efeito pelos pesquisadores Dr. J. Manson Valentine, Dimitri Rebikoff, Harold Climo e Jacques Mayol.

 

E, pelo pouco que pôde ser explorado nas regiões onde os equipamentos de mergulho podem alcançar, já ficou definitivamente provado que tudo isso foi mesmo obra de seres inteligentes - ou seja, os antigos habitantes de uma desconhecida e portentosa civilização! Foi constatado também que algumas partes dessa imensa muralha repousam sob COLUNAS!

 

Perto dali, ainda na área do Triângulo, a imensa plataforma submersa de Andros, formada pela superposição de colossais blocos rochosos, causa assombro pelas suas inusitadas dimensões. A civilização que elaborou essas antiqüíssimas edificações era, por certo, detentora de uma fantástica tecnologia.

 

Fantástica e extemporânea tecnologia, quer queiram ou não os negadores, que para abafar o assunto chegaram a dizer que as estruturas de Bimini e Andros - repletas de estradas, muralhas, pontes, "templos" e até uma gigantesca PIRÂMIDE submersos (imagem de sonar acima) - nada mais seriam que "viveiros de lagostas". E só faltava mesmo essa, "lagostas arquitetas". Um excelente petisco para o nosso lagarto!

 

E não precisamos ir tão longe assim no nosso passado terrestre para provar que, de fato, nele existiram fantásticas civilizações tecnológicas e que alguma coisa delas sobreviveu. Na foto, você vê um vaso "maldito", encontrado em ruínas do Antigo Egito. Além de belo e perfeitamente trabalhado, intrigou os cientistas pelo fato de ter sido fabricado ATRAVÉS DE TÉCNICAS DAS QUAIS AINDA HOJE NÃO DISPOMOS! Está provado que o seu interior foi polido, moldado e perfeitamente revestido em metal por uma máquina desconhecida, capaz de penetrar na sua estreita boca e expandir-se no interior - como se, além de tudo, os seus operadores tivessem um sofisticado instrumento de fibra óptica para visualizá-lo! De onde teria vindo isso?

 

Tudo não passa de um simples recomeço. Aquilo que foi sempre será novamente. E tudo, tudo mesmo, nos demonstra que no nosso mais remoto passado os habitantes das perdidas civilizações conheciam a eletricidade, podiam se locomover não só pela terra, como também através dos mares, até pelo ar - e quem sabe pela vastidão do espaço sideral! Resquícios de uma tecnologia perdida e muito avançada que se perpetuaram no Antigo Egito, suspeitando-se que tivessem tido uma origem atlante? Tudo indica (e também nada nos tira da cabeça) que SIM! Então, tudo poderia mesmo ser resumido naquilo que brilhantemente escreveu o notável arqueólogo e egiptólogo brasileiro, Professor Alfredo Coutinho de Medeiros Falcão: - "O que terá ocorrido no começo do Período Dinástico? Numa determinada época passamos dos tempos pré-dinásticos aos dinásticos, da proto-história à história. De um prólogo não muito documentado por fontes escritas, ao desfraldar de um cenário ainda muito pouco iluminado".

 

Próxima Página

Página Anterior

JUNGLE!