Home

NOS DOMÍNIOS DO REALISMO FANTÁSTICO

O TEMPO É MESMO RELATIVO

"Algum dia seremos mais vivos, mais despertos do que qualquer criatura que já conhecemos. Entrementes, depende de nós manter-nos flexíveis, continuarmos imaginando, conjeturando, até o topo de nossas mais altas esperanças e um pouco além - e se continuarmos fazendo uma conjetura mais ousada ainda, nossa conjetura se tornará realidade além de qualquer coisa na Terra, além de qualquer coisa que tenhamos imaginado"

(Alan & Sally Landsburg)

 

A imagem acima obviamente é uma ilustração. Contudo, retrata uma situação real - espantosamente real! Você sabia que por ocasião da chamada Guerra do Golfo, durante a "Operação Tempestade no Deserto", na qual as forças militares dos EUA e as suas aliadas enfrentaram as do ditador iraquiano Saddam Housein, ocorreu o abate de um UFO? Pois é! Um documento ultra-secreto dos Serviços de Inteligência Americanos revelam que precisamente no dia 24 de janeiro de 1991 as belonaves que estavam em operação no Golfo Pérsico foram ostensivamente sobrevoadas por um enorme UFO. Detectado nos radares com cerca de 30 segundos de antecedência, o enorme objeto voador sem a menor das cerimônias "zumbiu" sobre os navios militares USS Wisconsin, o England, O'Brien e ainda audaciosamente por sobre mais duas fragatas inglesas! Como "guerra é guerra" e qualquer aeronave - ou coisa parecida - que não possua identificação e nem responda aos sinais de reconhecimento é considerada hostil, logo os comandantes da operação ordenaram que todas as unidades baseadas no local abrissem fogo contra o intruso. Após vários disparos de artilharia convencional (que aliás esgotaram todos os seus estoques sem quaisquer resultados práticos), um potente míssil foi despachado contra o alvo e finalmente o destruiu! O rumoroso caso, como sempre acontece, logo foi "classificado" e trataram de esquecê-lo nos arquivos de Inteligência. Muitos anos depois - e não se sabe exatamente porque cargas d'água - somente durante o atual Governo dos EUA, o Presidente Bush ordenou uma busca e o possível resgate dos destroços do UFO no fundo do oceano, o qual vem sendo minuciosamente rastreado pelos satélites americanos. O quê exatamente desejariam aqui os enigmáticos tripulantes dessas fantásticas máquinas voadoras? Simples observadores? Ou alguns deles teriam raízes comuns e sobretudo muito antigas com relação a nós - a espécie humana terrestre?

 

Muito, MUITO possivelmente! O tempo é mesmo muito relativo. E qual seria a diferença existente entre o hoje e o ontem?Há, de fato, certas coisas produzidas em um passado distante e esquecido..... E, no entanto, ainda hoje arrebatadoramente VIVAS. Retornemos agora ao intrigante Planalto de Nazca, no Peru, com as suas intrigantes imagens voltadas para o céu. Acima, vemos a tradicional foto da gigantesca "Aranha", tendo ao lado um perfeito triângulo equilátero - igualmente dotado de enormes dimensões! E você quer conhecer um estranha curiosidade a respeito desta "Aranha"? O quê haveria de diferente nela? De acordo com a sua morfologia - repare na terceira perna direita, retorcida e maior. Trata-se de um exemplar que aqui na Terra é conhecido com pertencente à espécie Ricinulei. E a aranha dessa variedade somente existe na.... FLORESTA AMAZÔNICA, o colosso chamado de "Inferno Verde", na sua maior parte situado em território brasileiro!!! Qual o significado disso? Simplesmente que os misteriosos construtores desse imenso painel há muito milhares - ou talvez milhões - de anos tinham estreito contato com as profundezas das selvas amazônicas - precisamente as vastas florestas que cobrem todo o outro distante extremo do local onde se situam essas intrigantes imagens! E levando-se em conta que tais fantásticas imagens foram feitas exclusivamente para serem vistas a partir do céu, podemos deduzir que seus misteriosos construtores efetivamente podiam voar!

 

Porém, os intrigantes enigmas enigmas de Nazca não se resumem somente nas enormes figuras voltadas para o espaço. Recentes prospecções arqueológicas têm revelado os traços de uma perdida cultura que há talvez muitos milênios habitou as suas cercanias. Na foto, uma espécie de painel gravado em uma rocha, mostrando um estranho personagem tendo nas mãos os exemplares de um animal desconhecido!

 

Como também certos cemitérios contendo estranhas "múmias" têm sido revelados naquelas paragens. Preste bastante atenção no bizarro crânio, situado bem na extremidade inferior direita. Certamente essa antiga cultura não foi a autora dos imensos desenhos que cobrem todo o Planalto de Nazca mas, de certa forma, teria convivido com os antigos "deuses" - a os quais as mais antigas tradições atribuem a respectiva autoria!

 

E por acaso você já ouviu falar a respeito de Lambayeque? Trata-se de um curioso sítio arqueológico situado ao Norte do Peru, onde foram encontrados certos achados igualmente estranhos. Nessa foto da National Geographic, vemos arqueólogos diante de antiqüíssimas tumbas pertencentes a uma outra perdida cultura do passado remoto.

 

Aqui, o detalhe de uma daquelas tumbas - contendo uma bizarra múmia, denominada "O Senhor de Sipan"......

 

....... Cujos adereços funerários lembram de maneira espantosa a simbologia do Antigo Egito - por exemplo, o escaravelho Kheper no medalhão inferior! Note-se, principalmente, os dedos daquela múmia (à esquerda), estranhamente recurvados.... Como se fossem garras!

 

Nesta outra imagem, vemos estatuetas, elaboradas no mais puro ouro, igualmente encontradas no local. Sempre as mesmas desconhecidas fisionomias que jamais fizeram parte das velhas e tradicionais culturas pré-colombianas. Quem teriam sido eles?

 

São perguntas que, talvez, jamais sejam devidamente respondidas. Porém, uma coisa é certa: não somos os primeiros a habitar este planeta. Bem antes disso, evoluídas civilizações aqui estiveram estabelecidas e por uma razão qualquer se tornaram perdidas. Contudo, existem certos vestígios apavorantes, por sinal espalhados por todo o planeta, apesar de negados e até muito comodamente ignorados, e que nos deveriam servir como uma solene advertência. Você sabe porque, por exemplo, o "Vale da Morte", nos EUA, tem este nome? Simplesmente porque nada cresce no local, nenhuma forma de vida! Os antigos indígenas nutriam verdadeiro pavor por aquelas paragens, evitando-as com respeitoso temor. Há indícios que há muitos milênios aquele vale tenha sido habitado, antes de ser destruído por.... Uma EXPLOSÃO NUCLEAR, a qual até hoje deixou o solo ressecado e estéril! Veja na foto acima uma curiosidade situada em um ponto daquele vale que é chamado de "Titus Canyon" - local cujo acesso, aliás, é proibido. Observe bem a foto e tente nela descobrir algo bastante interessante......

 

..... Descobriu? Sim, é isso mesmo: uma imensa estátua gravada na rocha e já bastante desgastada pelo tempo! Observe bem a ampliação e o seu negativo, à direita, provando que a mesma é artificial e jamais um capricho da Natureza ou um simples trabalho da erosão. Será que é por isso que proíbem o acesso integral do público ao local?

 

Pode ser que sim, uma vez que lá por aqueles lados existem estranhos petróglifos que mostram nada menos que UFOs chegando do céu e até mesmo as imagens dos tradicionais aliens do tipo "gray". Observe a foto acima.

 

E não é somente nos altiplanos peruanos, como também na Inglaterra, que existem estranhas imagens voltadas para o céu! Este colosso que é chamado de "O Pescador", somente é compreensível quando visto do alto e está situado no Estado norte-americano do Oregon. Trata-se igualmente da obra de uma civilização antiqüíssima e sobretudo desconhecida!

 

Eis uma outra espantosa surpresa. Esta antiga fotografia aérea nos mostra uma curiosa e além de tudo imensa imagem voltada para o céu, a qual por sua vez se situa ao longo do Rio Colorado, entre o Estado também norte-americano de Nevada e o Golfo da Califórnia!

 

Outra intrigante figura naquela mesma região. E, diga-se de passagem, essas duas aqui mostradas não são as únicas a pontilhar aquela misteriosa região. Ali existem cerca de DUZENTAS (isto mesmo, duzentas) delas! Só que obviamente não interessa muito a certos setores tradicionalistas que essas embaraçosas "curiosidades" arqueológicas sejam devidamente divulgadas!

 

E você saberia responder qual é a caverna mais profunda de todas as Américas? Certamente não, uma vez que ela não consta dos livros didáticos e muito menos nos de pesquisas geológicas. Seu nome é Lechuguilla e está situada também nos EUA, precisamente no Novo México, em Carlsbad. Ainda inexplorada, ela se aprofunda por cerca de 157 quilômetros no subsolo e parece não ter fim. As poucas partes já exploradas, que têm fascinado e intrigado os cientistas, além de possuírem uma beleza exótica e ímpar apresentam a mais notável de todas as singularidades.....

 

...... Estranhamente, Lechuguilla tem o mesmo ambiente geológico e de certa forma ambiental...... DO PLANETA MARTE! Estranhos fósseis, vegetais petrificados (fotos) e certas características de solo e ambiente fizeram com que os cientistas estejam atualmente usando Lechuguilla para testar as condições e as teorias da vida naquela distante corpo celeste! Foi constatado que as rochas daquele verdadeiro simulacro marciano (o qual pode inclusive ter sido ARTIFICIALMENTE montado aqui na Terra em épocas muito recuadas!) verdadeiramente PULSAM através de ritmos desconhecidos naquele bizarro ecossistema! As estranhas e inéditas bactérias que habitam aquela caverna, ao contrário das terrestres, encontraram ali um meio de sobrevivência sem a luz solar. E até mesmo o ambiente sulforoso é idêntico ao que, segundo os cientistas, existiria abaixo da árida superfície marciana! O Professor Kim Cunningham, geólogo que estudou aquela caverna, declarou que - "isso significa que Lechuguilla esteve isolado do ambiente da superfície terrestre por pelo menos dois milhões de anos, e possivelmente muito mais, em um ambiente fechado no qual os microrganismos puderam desenvolver mecanismos únicos de sobrevivência". Em outras palavras, se Lechuguilla é um planeta Marte em miniatura, como aliás eles mesmos reconhecem, obviamente o original que se situa muitas milhas distante no espaço sideral, certamente deve estar dotado de inúmeras formas de VIDA - remanescentes da misteriosa catástrofe que aniquilou a sua superfície e os seus habitantes há muitos milhões de anos! Esses atônitos cientistas, por sinal e devido aos seus intrigantes mistérios, chamam a entrada dessa caverna de "Zona Crepuscular" ("Twilight Zone"), e as suas partes mais profundas de "O Lado Negro" ("The Dark Side"). Não é mesmo sutil? Aparentemente (e talvez só "aparentemente") não foram encontrados vestígios humanos (ou talvez não-humanos) nas reduzidas partes dessa caverna que já foram explorada, mas......

 

...... Os colossais e intrincados labirintos, poços e passagens de Lechuguilla atingem por vezes profundidades estonteantes e até revelam certas gratas surpresas, com por exemplo o lago que foi batizado pelos cientistas de "O Lago dos Gigantes Azuis" (foto). E se isso é de certa forma um simulacro de Marte, obviamente e por analogia a água também deverá estar presente no subsolo daquele distante planeta vermelho! Sim, íamos até esquecendo: o acesso ao público é terminantemente proibido na intrigante Caverna de Lechuguilla. Tudo isso se torna perfeitamente compreensível, não só pelos eventuais perigos que possa apresentar, mas muito principalmente para evitar que algum turista desavisado encontre certas coisas talvez muito "embaraçosas" lá por dentro e que então "dê com a língua nos dentes". Tem mesmo uma certa lógica. Eles escondem, escondem, escondem, mas sempre deixam pistas! Agora tente analisar e responder conosco: - POR QUE exatamente teriam chamado este belíssimo lago de "O Lago dos Gigantes Azuis"? Como o acesso ao local é interditado e exclusivamente liberado aos cientistas governamentais, não se sabe se por lá foram encontradas algumas múmias de seres divergentes dos padrões tradicionais, ou quem sabe inscrições e artefatos desconhecidos - assim como ocorreu no Grand Canyon. Diante desse sutilíssimo detalhe, porém, a resposta à nossa pergunta não nos pareceria agora bastante óbvia?

 

Próxima Página

Página Anterior

DOOM2 music