Home

NOS DOMÍNIOS DO REALISMO FANTÁSTICO

DEUSES ORGÂNICOS

"A resposta à incógnita da origem dos ameríndios, e talvez também à de todo o mundo pré-histórico, será evidente, sem a menor dúvida, no dia em que as antigas cidades sejam reencontradas e abertas à pesquisa científica. Pois sei que elas existem"

(Percy Fawcett)

 

Planalto de Marcahuasi, Peru, um dos lugares mais enigmáticos da Terra. Aqui, a uma altitude de 4000 metros, uma antiga e desconhecida civilização realizou verdadeiros prodígios tais como essa imensa cabeça de pedra, ostentando uma altura de 25 metros (o equivalente a um edifíco de 8 andares!). Transportando também não se sabe como imensos blocos rochosos para aquele planalto, essa perdida civilização moldou também em uma área de cerca de cinco quilômetros quadrados outras estonteantes esculturas que que retratam curiosos animais semelhantes ao sapo, ao leão e aos condores. Além disso, existem imensos altares, cada um deles voltado para um ponto cardeal. E não é só isso: tal como na Pedra da Gávea, Rio de Janeiro e Machu Picchu, também no Peru, esses misteriosos artífices usaram o jogo de sombras para fazer visíveis e sobretudo realçar outras impressionantes imagens pétreas! Na falta de uma explicação mais lógica, Daniel Ruzzo, seu descobridor, batizou essa perdida cultura como "Civilização Masma" - em homenagem a um vale do mesmo nome situado nas proximidades. O Professor Peter Allen foi ainda mais longe ao afirmar: - "O fato de essas esculturas só se fazerem visíveis sob certo ângulo e certos momentos do dia implica uma técnica rara e muito elaborada. Não pode haver qualquer dúvida a respeito do emprego desta técnica em Marcahuasi, por mais estranho que isso possa parecer".

 

Será necessário, pois, realizar uma urgente revisão nos tratados convencionais de História! Essa estranha escultura foi encontrada pelo arqueólogo Marcel Homet na Gruta Pintada de Formosa, Brasil - uma gruta repleta de misteriosas imagens e outras esculturas belíssimas, oriundas de um passado remotíssimo e esquecido! E ela talvez retrate a imagem dos povos de uma antiga e muito evoluída civilização que se espalhou por todas as Américas do Sul e Central, realizando inexplicáveis prodígios arquitetônicos e além de tudo empregando fantásticas formas de tecnologia - talvez ainda hoje nem sequer sonhada pela Ciência do nosso Século XXI! Dando crédito às mais antigas lendas e tradições, todas as evidências nos levam a pensar em remanescentes do perdida Atlântida, os quais teriam se espalhado pelas suas antigas colônias antes da submersão daquele continente, ocorrida há cerca de 12 mil anos.

 

Neste mural a imagem do faraó Akhenaton, XVIII Dinastia Egípcia, acompanhado da esposa e filhas quando fazia oferenda ao Deus Áton - representado pelo DISCO que emite raios. Precisamente aqui neste ponto será importante ressaltar que durante o seu reinado os artistas foram proibidos de "dourar a pílula", ou seja, contrariando todas as antigas tradições as imagens deveriam ser retratadas fielmente, não mais produzindo padrões artificiais de beleza. Dessa forma, podemos ver as verdadeiras característicias faciais da realeza que, conforme já abordado neste Site, era DIFERENTE.... Herdeira e sucessora direta da linhagem atlante! Por isso mesmo, alguns historiadores, equivocadamente e sem qualquer conhecimento de causa, classificaram Akhenaton como dotado de "feições cavalares" ou mesmo com tendo sido "epilético" ou "deformado". Note-se, porém, que o exótico padrão facial acompanha também a sua esposa e filhas.

 

Mas o que teria isso a ver com a esculura encontrada no Brasil, a milhares de milhas distantes do Egito e tendo um oceano inteiro como obstáculo? Simplesmente TUDO! Observemos com a devida atenção os rostos retratados em perfil naquelas duas imagens e tiremos, portanto, as nossas espantosas conclusões!

 

O imortal Akhenaton, por conseguinte, pelo fato de cultuar o Amor, a Luz e a Verdade não permitia falsidades nem mesmo nos trabalhos artísticos. Neste outro mural, retratando a sua esposa Nefertiti, podemos constatar como a semelhança é chocante. Diante de tudo isso, não se pode mesmo negar que uma raça muito estranha e totalmente diferente dos padrões conhecidos habitou a face daTerra. Outras estranhas esculturas e pinturas, espalhadas por todo o planeta e pertencentes a muitas outras civilizações extintas, de fato retratam seres que não são meros frutos da imaginação ou simples divagações dos artífices que as elaboraram!

 

Seres tão evoluídos que foram cultuados como deuses! E nota-se uma outra "coincidência" nesse particular: quase todas as antigas civilizações que conhecemos retratam as suas divindades sempre dotadas de asas, obviamente identificando a sua capacidade de ganhar os céus! Aladas, sem dúvida.......

 

.... Ou ainda quase sempre associadas ao DISCO - denotando a nítida interferência de uma certa raça extraterrestre no nosso passado! No caso específico do Antigo Egito, além do disco a serpente era associada à sabedoria e por extensão aos seres provenientes do espaço sideral, que por sua vez foram os fundadores e os Mestres da perdida Atlântida!!!

 

Esfinge alada assíria, parecendo tripular uma astronave e incrivelmente ostentando o mesmo simbolismo tradicional egípcio!

 

Estranhas criaturas, leões e grifos alados, seres enigmáticos e míticos que povoaram toda a antigüidade.....

 

.... E por vezes explicitamente retratados, pilotando as suas máquinas voadoras - assim como em Palenque!

 

Deuses, deuses orgânicos, espalhados por todo o nosso pequeno planeta - retratados e reverenciados pelos antigas culturas sob as mais diferentes formas. Formas diferentes, diferentes formas, mas que todavia indicam a mesma origem, uma origem comum. Deuses distantes, benevolentes, iniciadores da nossa raça - orgânicos, sim, tão humanos quanto eu ou você. Porém - tanto ontem quanto hoje - separados por milhares, ou talvez milhões de anos de progresso evolutivo à nossa própria frente!

 

 

Próxima Página

Página Anterior

Somewhere in Horizon